Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]






Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

 






Condução com mau tempo

por Dicas e Manhas, Domingo, 17.11.13

Em piso molhado

As distâncias de travagem numa estrada molhada são o dobro das que se verificam numa estrada seca. Redobre os cuidados quando as estradas se encontram molhadas depois de terem estado secas durante muito tempo — o óleo e as partículas de borracha misturados com água tornam o piso muito escorregadio.

Certifique-se de que os seus pneus estão em bom estado e com a pressão correcta. A grandes velocidades, os pneus com bom rasto permitem que um carro pare em metade da distância a que se imobilizaria com pneus cujo rasto tivesse a profundidade mínima legal (1 mm).

Com muita chuva e a uma velocidade acima de 55 km/h, os pneus perdem

aderência quando os sulcos não dispersam a água com suficiente rapidez, fazendo que o veículo plane numa almofada de água. Se isto acontecer, tire o pé do acelerador e segure o volante tão direito quanto possível. Não toque nos travões. Quando os pneus aderirem de novo à estrada, continue a uma velocidade reduzida.

 

Com nevoeiro

Conduza com os faróis de nevoeiro ou os médios acesos tanto de dia como de noite. Ligue os limpa-pára-brisas e os desembaciadores. Se o seu automóvel tiver boas luzes traseiras, ligue-as. Abra a janela do seu lado para poder ouvir o que se passa à sua volta.

Não tente ultrapassar um automóvel que siga à sua frente — mantenha-se bastante atrás, de modo a ter tempo de parar se ele se imobilizar de repente. Lembre-se de que, mesmo a 40 km/h, a distância de travagem é cerca de 15 m numa estrada seca.

Siga o seu caminho guiando-se pela berma e pelos traços da estrada. Na cidade, atente nos carros estacionados. Se tiver de parar, procure fazê-lo fora da estrada; ligue os quatro pisca-piscas se for forçado a parar numa estrada com dois sentidos ou na berma de uma auto-estrada.

 

Com neve

Com muita neve, observe as mesmas regras aplicáveis à condução com nevoeiro, mas mantenha-se numa mudança tão alta quanto possível para evitar as derrapagens.

Procure não parar; se tiver de o fazer, desacelere suavemente, trave progressivamente e mude levemente de velocidade. Uma mudança de velocidade súbita devida a uma travagem a fundo ou à manipulação brusca da caixa de velocidades pode fazer que as rodas fiquem bloqueadas e patinem.

Evite acelerar quando as rodas da frente não estiverem direitas, o que poderia levar as rodas traseiras a derraparem. Não tente virar o volante enquanto trava, pois isso faria que as rodas da frente patinassem.

Ao arrancar na neve, use a segunda velocidade e acelere lenta e progressivamente. Se as rodas começarem a patinar, alivie o acelerador e deixe o carro deslizar um pouco para a frente ou para trás antes de acelerar de novo.

Se ficar atolado na neve

Se não conseguir arrancar na neve por as rodas patinarem, coloque, por exemplo, cascalho ou serapilheiras à frente das rodas motrizes. No Inverno, transporte no porta-bagagem uma pá e serapilheiras.

Certifique-se de que as rodas dianteiras estão direitas, meta a segunda e acelere suavemente não use a marcha atrás, a não ser que seja obrigado a isso — essa velocidade muito baixa pode dar origem a que as rodas patinem.

Depois de ter arrancado, não pare até atingir terreno firme.

No gelo

É preciso ainda mais cuidado em condições propícias à formação de gelo, porque este pode cobrir extensões que não se distinguem com facilidade.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Dicas e Manhas às 22:04









Google +